quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Poema: "Eu choro em sua ausência"

Antes de postar o poema devo esclarecer como este poema foi criado. Tudo começou num dia que uma certa professora faltou, continuou num passeio de Pompéia e teve seu climax numa outra viagem de ônibus pelas ruas dessa grande cidade. Para ser sincera é tudo uma boa brisa de alguns estudantes de química que não tinham nada para fazer (ou tinham), que recebiam olhares curioso dos passageiros ao seu redor e apenas escreviam o que vinha na mente.

Eu choro em sua ausência

Eu choro em sua ausência
Pois, mesmo em meio (aq.),
rodeado de íons,
me sinto só.
Como um H (hidrogênio) sem família.

Caminhei por várias pontes de H (hidrogênio),
"pulei" de várias camadas eletrônicas desse átomo que é a vida,
só para encontrar:
- o cátion do meu ânion
- a base que completa meu ácido de Lewis (porque ele é carente)
- o ozônio que purifica a minha alma

Você não é o meu erro de paralaxe,
está na medida do meu menisco.
Você diminui minha concentração,
perturbando meu equilíbrio.
Você é o catalisador da reação de amor que move minha existência.
Você é a mancha de nitrato de prata no meu coração

By PHAKA

§Penny

2 comentários:

Rolando disse...

oi. tudo blz? estive por aqui. muit legal. gostei. apareça por lá. abraços.

Touchdown disse...

"Você é a mancha de nitrato de prata no meu coração" KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK bem intelectual :D